domingo, 1 de Maio de 2011

Qual o papel do Id, Ego e Superego no desenvolvimento do Homem enquanto Ser Social?

Segundo Freud, a personalidade de cada indivíduo é determinada pelas relações que forem estabelecidas entre o id, o ego e o superego – os 3 componentes básicos estruturais da Psique.
O Id é a parte original, a partir da qual, posteriormente se desenvolvem as outras duas. A actividade do Id consiste em impulsos que buscam o prazer bem como satisfazer as nossas necessidades básicas desde o começo da vida. Ele deseja a gratificação imediata e não tolera a frustração. O Id é o nosso lado instintivo, que não mede as consequências dos actos para se satisfazer.
Entretanto, à medida que a criança vai crescendo aprende que precisa de se adaptar às exigências e condições impostas pelo meio, pois nem tudo que deseja consegue. Para esta adaptação, diferencia-se do Id uma nova parte do aparelho psíquico, o Ego, que terá como principal função agir como intermediário entre o Id e o mundo externo. É o Ego que aprende a controlar os impulsos, decidindo se estes devem ser satisfeitos imediatamente, mais tarde ou nunca.
À medida que se continua a desenvolver, a criança descobre que existem normas e regras estabelecidas pelo meio que se repetem com muita frequência. Essas normas acabam se incorporando à estrutura psíquica, constituindo o Superego. O Superego representa a resposta imediata, o “certo” ou o “errado”, diante de várias situações que exigem uma tomada de decisão que, dependendo da educação que recebemos, acaba por se transformar no impulso de censurar tudo e todos, principalmente a nós mesmos. O Superego é a parte de nossa estrutura que nos reprime, nos censura, funcionando como travão de impulsividade. Ou seja, é o oposto absoluto do Id.
Nem o Id nem o Superego são realistas, pois agem imediata e irreflectidamente. O primeiro procura, de forma indiscriminada o prazer, e o segundo, censura-o automaticamente.
O  bom resultado deste equilibrio depende da existência de um Ego fortalecido, de um Superego e Id moderados.
Algumas características de indivíduos em que o Ego actua de forma equilibrada:
- Ser capaz de reconhecer os próprios sentimentos e emoções,
- Ser assertivo mesmo perante situações adversas.
- Ter flexibilidade para mudar de opinião quando necessário.
- Interessar-se pelos semelhantes de maneira construtiva, sem no entanto, se esquecer dos próprios interesses.
Podemos concluir que o desenvolvimento do homem como Ser Social baseia-se num equilibrio entre as forças e os impulsos primitivos do Id, as exigências do Superego e do meio a partir do qual estas se formam.

Sem comentários:

Enviar um comentário